Cimento ecológico: opção sustentável para a construção civil

A construção civil é um dos setores que mais impacta negativamente o meio ambiente e utiliza grande quantidade de recursos naturais. A busca por materiais alternativos e sustentáveis, como o cimento ecológico, é um dos desafios da construção sustentável, um mercado que está crescendo cada vez mais. 

Os danos que  o setor causa são preocupantes. Segundo relatório da Organização das Nações Unidas (ONU), a construção civil consome 40% de toda energia, extrai 30% dos materiais do meio natural e gera 25% dos resíduos sólidos. 

Também de acordo com a ONU, a indústria do cimento, o segundo material mais utilizado pelo homem, que perde apenas para a água, é responsável por 5% da emissão de CO2 que vai para a atmosfera. Sem mencionar que durante sua fabricação são liberados óxido de enxofre, óxido de nitrogênio, monóxido de carbono e compostos de chumbo, todos  poluentes.

Além disso, duas das suas principais matérias primas são a argila e rochas calcárias. A extração destes materiais da natureza pode causar desmoronamentos em jazidas, erosões, aprofundamento do leito de rios, prejudicando a fauna e flora do local.

Portanto, por esses e outros motivos, apesar do cimento ter revolucionado a construção civil, sendo um dos grandes responsáveis pelo progresso da humanidade na arquitetura, soluções não tão prejudiciais estão sendo pensadas. Um destes substitutos, que já é comercializado no mercado, é o cimento ecológico. 

Esse conceito pode até parecer novidade para você, mas o produto já representa mais de 17% do consumo do material no Brasil. Essa alternativa verde é fundamental para garantir a sustentabilidade do mercado de construção civil no médio e longo prazo, uma vez que, de acordo com projeções da indústria, a demanda pelo material deve mais do que dobrar até 2050.

Quer saber mais sobre este material? Então, continue lendo este conteúdo e confira as aplicações, vantagens e desvantagens do cimento ecológico!

O que é cimento ecológico?

O que é cimento ecológico?

Mas afinal, o que é o cimento ecológico? Então, é importante termos em mente que o que torna o cimento um material que agride o meio ambiente é o processo de produção. Portanto, quando falamos de cimento sustentável, estamos nos referindo a um material produzido a partir de uma fabricação menos poluente. 

Ou seja, produzido a partir da reutilização de rejeitos de diversos tipos de indústrias, como siderúrgicas, carvão vegetal e termelétricas. 

Como é feito o cimento sustentável?

A fabricação do cimento tradicional é feita a partir de uma mistura de calcário moído com argila. Após misturados, são  aquecidos em fornos rotativos com temperaturas de até 1500ºC. Isso resulta em um material granulado e duro, chamado clínquer,  que é moído junto com outros materiais como a gipsita (gesso) gerando o cimento.

E é justamente essa produção do clínquer que compromete o meio ambiente. O processo para a sua obtenção necessita de muita energia elétrica, térmica. Para ter uma ideia, a produção de uma tonelada de clínquer gera em torno de 900 Kg de dióxido de carbono e queima entre 60 a 130 quilos de combustível fóssil.

Por outro lado, o cimento ecológico ou cimento sustentável, como o próprio nome diz, é uma alternativa menos poluente para executar a mesma função do cimento tradicional. A produção do cimento ecológico é feita com a substituição parcial do clínquer  (entre 30% a 70% em alguns casos)  pela escória granulada de alto forno.

A escória granulada de alto forno é um rejeito das indústrias siderúrgica, termelétrica, de fundição e de carvão vegetal, que utilizado para essa finalidade, reduz as emissões de CO2 em até 95% e o gasto de energia em 80%.

Existem duas variações do cimento sustentável: CP III — Portland de alto forno e CP IV – Cimento Portland pozolânico, sendo a primeira a alternativa mais amigável ao meio ambiente.

Quais as vantagens e desvantagens do cimento ecológico?

Você deve estar se perguntando: mas será que o cimento sustentável tem a mesma eficiência que o tradicional? Quais são as outras vantagens deste material? Então, confira alguns prós e contras deste produto que vem revolucionando a construção civil. Vantagens do cimento ecológico:

Menor impacto no meio ambiente 

Menor impacto no meio ambiente 

Como comentamos, o principal diferencial deste material é que não gera tanta poluição a natureza, principalmente quando comparado com a versão tradicional. E levando em consideração o quanto o setor é ativo e a quantidade deste produto utilizado diariamente no mundo, fica ainda mais claro o nível de consciência necessário nesta questão. 

É a opção mais em conta

É a opção mais em conta

Outro destaque que ele traz é por ser uma opção mais em conta, ou seja, apresenta menor custo em relação ao tradicional. Isso deve-se à economia na energia, o gasto para a produção desse material acaba sendo reduzido, o que impacta diretamente no preço.

Portanto, além de mais benéfico para o meio ambiente, também é mais econômico para o seu bolso. O que favorece cada vez mais a sua utilização em projetos de diferentes tamanhos. 

Excelente durabilidade

Excelente durabilidade

O processo de fabricação diferenciado não prejudica a durabilidade do produto, pelo contrário, o cimento sustentável é bastante durável. O que, consequentemente, também proporciona uma boa vida útil para a construção em que é aplicado. Sendo outro ponto positivo para a preservação do meio ambiente. 

Proporciona boa estabilidade

Proporciona boa estabilidade

Realmente, comparado aos outros produtos disponíveis no mercado, que executam a mesma função, ele não deixa nada a desejar. Inclusive, ao ser aplicado em uma obra, proporciona boa estabilidade. Isso significa que a sua composição não afeta de nenhuma forma a qualidade da estrutura da concretagem. 

Desvantagens do cimento ecológico:

Falta de oferta

Como o conceito de construção sustentável e alinhada às boas práticas de ESG chegou no Brasil mais tarde do que em outros países, ainda estamos atrasados em relação à oferta destes materiais. 

Portanto, a única desvantagem que temos que considerar do cimento ecológico é a falta de oferta no mercado. Ou seja, pode ser difícil encontrá-lo à venda em algumas regiões. O que exige um empenho maior na sua compra. E, consequentemente, dependendo da demanda e oferta, pode aumentar seu preço. 

Onde se pode utilizar o cimento verde?

Outro nome utilizado para o cimento sustentável é cimento verde. Mas não importando qual a nomenclatura usada, ele pode ser aplicado em inúmeras situações.Classificado como CP III, ele tem algumas variações de 25, 32 e 40 MPa. A NBR 5735 garante que esse material poderá ser aplicado em tarefas básicas e complexas, incluindo:

  • aplicação de revestimento;
  • aplicação de argamassa;
  • reformas simples;
  • colocação de azulejos e ladrilhos;
  • rejunte de azulejos e ladrilhos;
  • pisos industriais;
  • solo-cimento;
  • fundações;
  • pavimentação;
  • artefatos de concreto;
  • elementos pré-moldados;
  • fabricação de concreto simples;
  • barragens;
  • local de passagem de esgotos;
  • obras submersas.

Ou seja, é material para toda obra, das mais simples às mais complexas.  

Qual é o preço do cimento ecológico?

Existem diferentes marcas de cimento ecológico e assim como outros materiais, o seu preço varia bastante dependendo da região, fabricante e peculiaridade de produção. Mas no geral, podemos chegar a uma média de que um saco de cimento sustentável de 25kg pode ser encontrado a partir de R$ 20,00.

Quais os cuidados necessários ao utilizar o cimento ecológico? 

Quais os cuidados necessários ao utilizar o cimento ecológico? 

Assim como os demais tipos de cimento, a versão ecológica também tem validade e necessita de atenção para que sua conservação durante a estocagem seja garantida. Vale ressaltar que a sua embalagem de papel protege o material durante o transporte, mas acaba sendo ineficiente quando é colocada em contato direto com a água. 

Portanto, é necessário manter a embalagem fechada, longe do chão e em locais afastados de paredes externas, encanamentos e protegido da chuva. Outra dica é colocar no máximo 10 sacos por pilha. Para ter uma ideia, quando armazenado corretamente, a sua vida útil pode chegar a três meses após a data de fabricação.

Como calcular a quantidade de cimento ecológico na obra?

A quantia de cimento ecológico que você precisará para a sua construção dependerá da proporção a ser aplicada. Para facilitar o entendimento, preparamos um exemplo de uma medida de cimento para três de areia peneirada. Confira:

Primeiro, pegue 25 kg de areia peneirada e divida por três. O resultado é 8,3 kg de cimento por m².

Então, aplique essa proporção para uma medida de 80 m², por exemplo: 8,3 x 80 m2: 664 kg de cimento.

Quanto tempo leva a cura do concreto à base de cimento ecológico?

Você deve ter ouvido falar no processo de cura que todo o concreto é submetido. Com o concreto feito à base de cimento ecológico, as etapas são as mesmas das feitas no tradicional. 

A cura do concreto consiste em molhar, ao longo de 7 dias, o concreto já endurecido, para que ele não perca a sua umidade. Podendo estender o período, caso seja entendida essa necessidade.

Na prática, o concreto possui água na sua composição, não só porque precisa ser viscoso para a aplicação, mas também porque reações químicas acontecem entre água e o cimento. Essa adição é  o que o torna firme e resistente. Por isso, se não houver água o suficiente, o concreto apresentará fissuras e falhas na sua superfície depois de pronto.

Mas o que geralmente acontece nos casos  é que o calor do sol e o vento fazem com que a água evapore após os primeiros dias de endurecimento do concreto, quando ele ainda está no processo de adquirir resistência. Então, é neste sentido que a cura se torna tão importante. Até 30% da resistência do concreto é perdida se a cura não for realizada.

Quais as outras tendências da construção civil sustentável?

Quais as outras tendências da construção civil sustentável?

Além do cimento ecológico, outras tendências surgiram ao longo dos anos com o intuito de promover uma construção civil mais alinhada ao ESG. Alguns exemplos são o tijolo ecológico, a argamassa ecológica e até mesmo o telhado ecológico. Ficou curioso Então, conheça mais detalhes de cada um:

Tijolo ecológico

O tijolo ecológico é feito a partir de uma mistura de terra, cimento e água, sendo que a proporção de cimento utilizada é de apenas 10%. Mas o torna-o realmente mais sustentável  é a ausência de queima em seu processo de fabricação, ou seja, ele não libera CO2 na atmosfera.

O processo de fabricação é feito a partir da mistura desses três elementos até formar um composto homogêneo onde, posteriormente, são moldados, prensados e compactados em prensas manuais ou hidráulicas. Após a prensagem os tijolos passam por um processo de cura e secagem que dura cerca de 28 dias.

Alguns modelos podem apresentar em sua composição também bagaço de cano, pneus e rejeitos da construção, o que os torna ainda mais sustentáveis.

Argamassa ecológica

Muitas pessoas acreditam que cimento e argamassa são sinônimos, mas na verdade não são. Apesar de bastante similares, cada um tem suas peculiaridades. Enquanto o cimento é mais utilizado na concretagem, a argamassa é mais utilizada para a colocação de pisos e cerâmicas.

Mas no processo de fabricação, a argamassa ecológica segue basicamente os mesmos passos  do cimento ecológico, mantendo o compromisso com o meio ambiente. Ou seja, sendo uma opção mais sustentável. 

Telhado ecológico

O telhado ecológico, conhecido também como telhado verde,  ecotelhado e cobertura vegetal, é uma camada colocada sob ou substituindo o telhado de uma construção. A sua finalidade é colaborar com a diminuição do impacto ambiental. 

Isso porque, os modelos que utilizam plantas de verdade, conseguem melhorar o sistema de drenagem.A estratégia é possível por causa que a água da chuva, ao atingir a cobertura verde, é armazenada pelas plantas e substratos antes de ser liberada de volta ao meio ambiente.

Sem contar que a cobertura do telhado aumenta sua vida útil, pois protege-o de agressores naturais, como vento, chuva, luz ultravioleta e temperaturas flutuantes.Além disso, o telhado ecológico tem propriedades que potencializam o isolamento térmico. Diminuindo assim, a necessidade de equipamentos de controle de temperatura.  O que consequentemente, diminui o gasto com energia e colabora com o meio ambiente. 

Como vimos, todas as vantagens do telhado ecológico contribuem para um planeta mais saudável. A diminuição do uso de eletrônicos minimiza as emissões de gás carbônico, um dos maiores vilões do aquecimento global.

Qual é a sua avaliação?

Clique nas estrelas

Média da classificação 0 / 5. Número de votos: 0

Nenhuma avaliação até agora! Seja o primeiro a avaliar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *