HAZOP: como aplicar o Estudo de Perigo e Operabilidade na obra?

A segurança do trabalho e a otimização do processo no setor industrial e de construção são essenciais para promover um resultado de qualidade e com baixos riscos. Existem algumas metodologias, que podem ser utilizadas em diversos segmentos, que tornam o funcionamento mais seguro e com excelente qualidade, como por exemplo, o HAZOP. 

Quer saber o que é, para que serve e como o HAZOP pode auxiliar positivamente no funcionamento da sua empresa? Então, continue lendo este conteúdo e entenda tudo sobre o conceito. Além de aprender como implementar e ainda conferir alguns exemplos. 

O que é HAZOP?

A sigla HAZOP significa Hazard and Operability Study, que traduzida para o português quer dizer Estudo de Perigos e Operabilidade. É uma metodologia qualitativa criada para identificar riscos no processo produtivo antes mesmo que ocorram. 

Ele analisa todas as etapas de forma individual e como parte de um todo, analisando, controlando e estudando as ações. Para assim, levantar os pontos que podem ser considerados de risco para a operação.

O método HAZOP foi criado na década de 60 pela Imperial Chemical Industries Ltd (ICI), no Reino Unido. Apesar da empresa ter sido dividida anos mais tarde, os engenheiros e profissionais que trabalhavam na segurança do trabalho compartilharam a técnica com outras firmas, fazendo com que ficasse conhecida.

Para que serve o HAZOP?

O HAZOP serve para localizar riscos no processo produtivo das empresas, O seu objetivo é  investigar meticulosamente todos os passos, visando descobrir desvios, má execução ou anormalidade. Com isso, torna possível a correção do problema antes mesmo que ele ocorra e evita danos futuros. 

Quais as vantagens e desvantagens do HAZOP?  

Quais as vantagens e desvantagens do HAZOP

A realização do HAZOP e a correção dos riscos identificados pelo estudo são bastante benéficos para a empresa no geral. Confira algumas vantagens e desvantagens do HAZOP:

Vantagens do HAZOP:

  • Diminuição considerável dos riscos: sendo o principal objetivo do HAZOP, a diminuição dos riscos no processo é comprovada na prática. Podendo ser observada no dia-a-dia da empresa;
  •  Economia: processos executados de forma errada e perigosa exigem maior investimento para reparos. A diminuição dos erros, consequentemente, provoca economia no capital;
  •  Mais segurança: falhas colocam em risco a vida dos trabalhadores envolvidos na fabricação e também dos consumidores. Um trabalho bem alinhado, gera mais segurança e credibilidade para a marca;
  • Agilidade: ao eliminar tudo que impede que as etapas ocorram de forma rápida e correta, o tempo de produção diminui, dando assim, mais agilidade para a produção. 

Desvantagens do HAZOP

  • Monotonia: a monotonia é a única desvantagem do HAZOP. Por analisar detalhadamente e isoladamente cada processo da empresa, a tarefa acaba se tornando bastante monótona. O que exige cuidado e atenção para que nada passe despercebido após muitas análises. 

Quais as etapas da metodologia HAZOP?

O estudo HAZOP é formado por 4 etapas básicas. Elas foram estruturadas para identificar potenciais riscos ao processo de produção. 

As 4 etapas principais da metodologia HAZOP são:

1 – Formar uma equipe de HAZOP;

2 – Identificar os elementos do sistema;

3 – Considerar possíveis variações nos parâmetros operacionais;

4 – Identificar quaisquer perigos ou pontos de falha.

Após a execução destas 4 fases, os dados devem ser analisados, a fim de reconhecer os riscos e apresentar soluções. Entenda como funciona cada etapa:

Formar uma equipe de HAZOP

Para executar o HAZOP a empresa precisa formar uma equipe multidisciplinar. Os profissionais escolhidos devem integrar diferentes áreas, sendo importante ter pessoas que entendam das operações, manutenção, instrumentação, engenharia, design de processos e outras vertentes existentes. 

É recomendado que os servidores escolhidos tenham certo tempo de empresa, pois estes conhecerão melhor o funcionamento. 

Identificar os elementos do sistema

O primeiro passo da equipe de HAZOP é elencar todos os processos realizados na empresa. Cada ação, do início ao fim, deve estar presente nesta lista. 

Feito isso, os profissionais irão acompanhar a realização de cada uma, prestando atenção nas questões práticas, mas também em elementos como taxa de fluxo, pressão, temperatura, vibração e assim por diante.

Considerar possíveis variações nos parâmetros operacionais

Para cada processo, a equipe deverá pensar no que poderia acontecer caso houvesse alteração dos parâmetros considerados normais. Por exemplo, uma válvula que libera gás a uma velocidade X, o que aconteceria se a liberação do gás fosse menor ou maior do que o necessário?

Identificar quaisquer perigos e pontos de falha

Caso alguma das variações que a equipe levantou apresentar perigo às pessoas, isso deve ser considerado um risco. Ele deve ser documentado e as chances de que ele ocorra, calculadas. A partir disso, medidas de segurança para evitar a falha precisam ser pensadas e colocadas em prática. 

Quando o HAZOP pode ser aplicado?

Quando o HAZOP pode ser aplicado

O método HAZOP pode ser implementado em processos contínuos e descontínuos. Na aplicação em processos contínuos o fluxograma é requisito essencial. Já para os processos descontínuos o principal requisito é a descrição escrita de forma apropriada. 

O HAZOP Estudo de Perigos e Operabilidade é um estudo que deve ser aplicado em todas as empresas, sejam elas públicas ou privadas. 

Como aplicar HAZOP?

Após este entendimento teórico sobre o assunto, você deve estar pensando “como aplicar HAZOP?” ou “como aplicar HAZOP na prática?”. Então, vamos aprender como implementar o HAZOP em empresas?

Confira o passo a passo de como realizar o HAZOP em processos contínuos e descontínuos:

Aplicação do HAZOP em processos contínuos

Entende-se por processos contínuos todas as atividades que não param mediante à um problema, como as realizadas em refinarias, siderúrgicas, tratamento de esgoto, entre outras. Processos de indústrias no geral não são considerados contínuos, podendo ser interrompido a qualquer momento. 

A aplicação do HAZOP em processos contínuos inicia a partir da seleção de uma linha. É considerado linha qualquer ligação entre dois equipamentos principais. Já um equipamento principal é todo aquele que provoca modificações profundas no processo. Por exemplo: torres, reatores e vasos. 

Outros dois conceitos importantes para aplicar o método são: parâmetros, que refere-se ao fluxo, pressão, temperatura e nível; e palavras-guia, que são “nenhum”, “menos”, “mais”, “reverso” e “também” e que servem para identificar o desvio dos parâmetros.

A partir disso, a equipe deve:

  • Imaginar a linha operando em sua condição normal de trabalho;
  • Escolher uma variável relevante para a operação e aplicar as palavras-guia;
  • Identificar os desvios perigos da variante escolhida;
  • Determinar  as causas dos desvios perigosos;
  • Elencar as consequências que o desvio poderia causar;
  • Analisar se há meios para o operador reconhecer que o desvio está ocorrendo;
  • Definir medidas de controle de risco e controle de emergência;
  • Repetir o processo em todas as linhas. 

Aplicação do HAZOP em processos descontínuos

A partir da definição dos processos contínuos, podemos entender que os processos descontínuos são todos aqueles que permitem interrupção caso haja problemas ou riscos. Como é o caso das empresas e obras no geral. 

A aplicação do HAZOP em processos descontínuos é geralmente escrita em forma de procedimento. O que torna a forma em que as palavras são utilizadas essenciais para o entendimento. Algumas dicas de como elaborar:

  • Inicie as sentenças com verbos no imperativo ou infinitivo;
  • Formule frases curtas;
  • Restringe-se a explicar a ação;
  • Evite trechos longos e desnecessários.

Após essas considerações, a equipe deve:

  • Aplicar a palavra-guia ao passo escolhido a fim de detectar o desvio;
  • Estudar se os desvios identificados são perigosos;
  • Verificar se o operador dispõe de meios de detectar os desvios caso ocorram;
  • Definir medidas de controle de risco e de emergências;
  • Escolher um novo parâmetro e repetir o processo.

HAZOP e Segurança do Trabalho

HAZOP e Segurança do Trabalho

Nas últimas décadas a tecnologia desenvolveu tantas formas de facilitar, aprimorar e agilizar os mais diversos campos, como é o caso da construção civil e empresas no geral. Na medida que eles foram inovando, surgiram maneiras cada vez mais eficientes de produzir com mais qualidade e segurança. 

Quando pensamos no método HAZOP, vemos como uma parte isolada, mas a verdade é que ele faz parte de um todo, que eleva os setores para uma nova Era. Cada parte deste todo está intimamente interligada, conversa com as outras e é essencial para o funcionamento do conjunto. Como é o caso do estudo HAZOP e a Segurança do Trabalho

O HAZOP e a Segurança do Trabalho se conectam uma vez que a identificação dos riscos e propostas de intervenção feitas durante o estudo, colaboram para a segurança dos trabalhadores envolvidos. Por outro lado, a Segurança do Trabalho oferece um ambiente de trabalho mais seguro e a presença de equipamentos de segurança, o que diminui os riscos.  

Esses dois métodos ainda contam com outras soluções que potencializam a qualidade na obra e no chão de fábrica. Além do HAZOP engenharia, há o gerenciamento de obras proporciona a construção civil uma construção mais assertiva. E modelos de trabalho como o BIMLean Construction agilizam e qualificam cada etapa.

HAZOP: exemplo de parâmetros, palavras-guia e desvios

Ainda está com dúvidas sobre como implementar o HAZOP? Talvez, um HAZOP exemplo pode ajudar a visualizar melhor o processo. Antes disso, confira um exemplo de tabela HAZOP, onde os conceitos: parâmetro, palavra-guia e desvio, ficam mais claros.

HAZOP_ exemplo de parâmetros, palavras-guia e desvios
Imagem: Facens/IAT.

O exemplo de HAZOP apresentado é baseado em um estudo real e foi adaptado de um artigo científico apresentado na ENEGEP.

Empresa em que o HAZOP foi aplicado: empresa de pequeno porte que utiliza em seu processo caldeira a vapor e vaso de pressão do tipo autoclave.

A partir do conhecimento de que a empresa usa caldeira a vapor e vaso de pressão do tipo autoclave, foi escolhida a variável física “vazão” e a palavra-guia “menos” que formam o desvio “menos vazão”.

As causas supostas para o problema foram:

  • Ausência de água no reservatório;
  • Erro da bomba elétrica;
  • Falta de energia;
  • Vazamento ou entupimento no sistema de alimentação;
  • Falha do operador.

Para a detecção:

  • Foi feito o levantamento do visor de nível da caldeira e o modo manual, caso haja vazamento de água.

As consequências que pode se ter são:

  • Comprometimento da caldeira;
  • Risco de acidente se houvesse a volta da água com a caldeira operando;
  • Danos ao processo produtivo;
  • Gastos com manutenção corretiva;
  • Atraso na produção.

As soluções levantadas para o controle de risco e emergencial foram:

  • Instalar:  medidor de vazão, um sistema de alarme de baixo nível de água, uma entrada de água auxiliar na caldeira, com alimentação manual (bomba manual);
  • Criar um procedimento operacional (manual);
  • Capacitar o operador da máquina em questão;
  • Realizar uma manutenção periódica preventiva do sistema;
  • Redigir um procedimento de emergência em caso de acidente.

Qual a diferença entre HAZOP e APR?

A sigla APR significa Análise Preliminar de Riscos e denomina uma análise detalhada do processo de uma empresa com o objetivo de identificar preliminarmente os riscos no sistema. 

Na prática, a APR e o HAZOP tem a mesma finalidade. A diferença entre o HAZOP e a APR está no conceito de cada um. Enquanto a APR é legalmente um processo obrigatório, que consta nas seguintes normas:

  • NR 12 — segurança no trabalho em máquinas e equipamentos;
  • NR 18 — condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção;
  • NR 20 — segurança e saúde no trabalho com inflamáveis e combustíveis;
  • NR 33 — segurança e saúde no trabalho em espaços confinados;
  • NR 34 — condições e meio ambiente de trabalho na indústria da construção e reparação naval;
  • NR 35 — trabalho em altura;
  • NR 36 — segurança e saúde no trabalho em empresas de abate e processamento de carnes e derivados.

O HAZOP é um meio de realizar a APR. Ou seja, o estudo é uma forma de levantar as informações que devem estar presentes na Análise Preliminar de Riscos.

Portanto, pode-se entender que ambos os termos estão interligados e que acabam complementando-se, quase se confundindo, na execução do método. 

HAZOP Excel e HAZOP pdf

A tecnologia não inovou apenas os processos, mas também a aplicação destes controles. Atualmente é possível encontrar planilhas prontas na internet e outros documentos que auxiliam na elaboração do HAZOP. Documentos como o HAZOP Excel e o HAZOP pdf tornam a execução mais rápida. 

Com o HAZOP Excel e o HAZOP pdf a equipe de Estudo de Perigos e Operabilidade fica isenta das questões teóricas e consegue focar somente na análise dos processos. O que otimiza o tempo e qualifica o resultado final. 

Alguns livros como Desmitificando HAZOP: Esforço conjunto e resultados a longo prazo e HAZOP: Guide to Best Practice também auxiliam muito no aperfeiçoamento da prática.

Cursos de HAZOP

Existem diversos cursos de HAZOP disponíveis no mercado, mas podemos recomendar pelo menos dois para quem busca estilos de aprendizagens diferentes: presencial ou online. Confira mais informações sobre cada um deles nos links abaixo:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *